Primeiro post em terras americanas

E eu já estou aqui há mais de dois meses.

Sim, sou muito relaxada. Mas fazer o que, não é verdade?

Vamos ao que interessa: Tá tudo bem, tudo maravilhoso, minha família é ótima – não é perfeita porque ninguém é perfeito – e eu estou morando no luagr certo.

Eu perdi a vontade de escrever aqui. Agora que estou aqui eu vejo que não é lá todas essas coisas. É igual ao Brasil, apenas um outro governo e tudo em inglês! kkkkkk

Talvez eu volte para dar mais notícias, mas no mais eu estou bem e viva. Graças a Deus.

Beijossssssssssssss

Anúncios

Take a moment to THANK

Por anos eu só reclamei, e durante todo esse tempo Deus me dizia para “ser paciente”. Acho que eu nunca soube o real significado da paciência… Mas aos poucos eu tenho descoberto que ser paciente às vezes também significa confiar.

Hoje eu me sinto grata. Grata porque no fim das contas esperar valeu a pena, mesmo com toda a dor, mesmo com todos os motivos para desistir. Deus segurou na minha mão e não largou. Ele é mesmo forte…

Nas últimas semanas eu tenho percebido o quanto eu sou abençoada e amada! Tudo que por muito tempo eu achei que não tinha, estou descobrindo nesses últimos dias.

Hoje faltam #37 dias para o meu embarque e eu estou descobrindo, por exemplo, que alguns amigos vão se afastar tanto que a amizade vai mesmo acabar, mas acontece. Outros, vão continuar distantes, como já é agora, mas eles estão sempre lá. Vou me decepcionar muito com algumas pessoas, eu sei disso, mas apesar de tudo eu ainda agradeço a Deus por isso.

Eu estou descobrindo que eu amo muito os meus pais e meus irmãos, mas que esse amor não tem barreiras e nem a distância, nem em planos diferentes, poderemos jamais nos separar. Temos uma conexão muito mais forte que a conexão terrena, e a cada dia que passa eu sinto mais isso e fico agradecida a Deus outra vez!

Eu tenho percebido o quanto há pessoas a minha volta que me amam e me querem bem, e só desejam o meu melhor! Presentes inesperados estão chegando, presentem maiores do que eu jamais pude imaginar, de pessoas que eu jamais iria dizer. Então eu agradeço a Deus de novo.

E aos pouquinhos eu começo a entender que tudo na minha vida sempre teve um propósito… Tudo que eu aprendi com duas crianças tão diferentes por um ano e meio lá na clínica, o amor que eu desenvolvi por cada um deles. E o rumo que a minha vida tomou aos pouquinhos, construindo tijolinho por tijolinho… E eu só tenho mesmo que agradecer.

Agradecer por ter saúde, por ter amigos que me amam e me decepcionam, mas são amigos. Por ter pais incríveis, irmãos espetaculares – porque talvez nós aprendamos muito mais com nossos irmãos do que com qualquer outra pessoa no mundo -, uma família linda e um Deus tão bom, que não nos dá aquilo que nós queremos, mas aquilo que nós precisamos! Graças ao Senhor as coisas só acontecem no tempo dele, e esse tempo não podia ser melhor!

Então se você está lendo isso agora, tire um tempinho para agradecer também! Eu tenho certeza que por mais que a vida pareça ruim agora, deve ter algo incrível acontecendo e que você não quer enxergar!

Estou muito feliz, e gostaria de compartilhar essa felicidade com você… Meu coração está em festa!

Beijos!

My Host Family Match

Eu tinha perdido as esperanças. Tinha mesmo desistido de tudo. Eu não queria dizer isso aqui, porque se um dia alguma aspirante a Au Pair ler, ela não deve pensar que pode desistir na primeira dificuldade. Uma coisa é certa: para ser Au Pair você precisa, antes de tudo, ter muita paciência e fé!

Então, eu postei o meu vídeo no dia 12/01. Não tinha nenhuma família no meu perfil e eu estava altamente estressada pelo fato de ter passado boa parte do mês de dezembro e começo do mês de janeiro sem nenhuma movimentação (os feriados dessa época podem atrapalhar bastante).

No mesmo dia tive o prazer de ver uma família entrar no meu perfil. Uma família com o app completo, sem buracos. E ao mesmo tempo recebi o email de uma LCC que tinha uma família com um menino autista querendo falar comigo, mas não podia porque eu não tinha colocado que cuidaria de crianças com special needs. Acontece que eu nunca dispensaria uma família que havia gostado por uma outra com uma criança com necessidades especiais e que eu nem sei se me sentiria confortável. Respondi que conversaria com essa família com o maior prazer, mas eu não ia dispensar a outra família sem antes conversar com eles.

A família que estava no meu perfil era de Judeus. Perdeu pontos aí porque eu não queria família de uma cultura que não fosse tipicamente americana. Principalmente porque eu amo o natal, é o meu aniversário, e nessa data eu quero uma comemoração típica de americanos! Bom, a família era legal. Uma menina de 10 anos, um menino de 7 e outro de 3. Por que não dar uma chance? Afinal, o único ponto negativo era mesmo eles serem Judeus… Troquei um email com a host e ela mandou a atual Au Pair, uma brasileira que foi a primeira Au Pair da família e que ficará lá por dois anos (o ano dela só acaba em abril). Essa Au Pair foi muito gentil, uma pessoa realmente incrível, foi bem sincera comigo e conversei com ela numa boa. Mas uma coisa me deixou desconfortável: Por que a host não preferiu falar comigo primeiro para apenas depois me passar o contato da Au Pair? Então quer dizer que a decisão da Au Pair se sobrepõe à decisão da própria host? Isso me incomodou bastante, não concordo com esse método. Acho que a Au Pair deve sim ajudar, mas a família é que deve saber o que está procurando, e não a Au Pair, afinal esta irá embora e não irá conviver com a nova Au Pair. Nossa, quantos “au pair’s”. Enfim, o papofoi muito bom mas fiquei chateada. Não era isso o que eu esperava. A família saiu do meu perfil quando completou as 48h e, apesar de ter ficado bem triste pelo jeito como a host levou aquilo, achei bom porque de fato eu ainda senti que faltava alguma coisa.

Então no mesmo dia que essa família saiu, quarta-feira, vinte minutos depois que meu perfil ficou livre a família com o menino autista chegou! Não tive muito tempo para ler o app da família, mas pelo que vi também não me encantei. Resolvi dar uma chance e fiz skype 10 minutos depois c a host, e não gostei porque ela me pareceu o tipo de pessoa altamente controladora. Me desestimulou a fazer cursos na minha área, disse que eu nunca conseguiria fazer cursos na minha área porque eram muito caros. Me entrevistou fazendo perguntas altamente estranhas e que me deixaram desconfortável, me senti avaliada de um jeito muito incômodo. Foi um péssimo skype e confesso que não me esforcei para que ela gostasse de mim. Aliás, fiz o possível até para que ela não gostasse, mas só percebi que estava fazendo isso depois. Juro.

Então, naquele mesmo dia essa família saiu. Isso acabou comigo. Eu sei que não tinha me encantado por nenhuma das duas famílias,mas esse entra e sai e “nada feito” acabou me enchendo. Juntei minhas coisas, decidi que não ia mais ser Au Pair, me matriculei numa pós-graduação e fiquei emburrada. Isso na quarta-feira. Eu realmente perdi toda a vontade de continuar, nada me faria mudar de ideia, mas escrevi numa folha a minha lista de pré-requisitos imprescindíveis para que eu sequer trocasse emails com uma nova família: Fins de semana off; Carro para quando eu estiver off; Kids entre 1 e 7 anos – maior que isso só se tiver outra nessa idade; Tem que ser num estado que neve; Não pode ser primeira Au Pair; No special needs.

Até que, no sábado, quando contei para minha irmã que não viajaria mais, ela me deu uma bronca. Uma bronca porque eu não tinha paciência, porque eu não sabia esperar as coisas no tempo certo, porque eu estava desistindo do meu sonho. Pensei nisso, mas continuei firme até que ouvi meu celular apitar e um email chegar: The W. Family estava avaliando o meu perfil. Meu coração bateu forte. Mostrei para minha irmã o email que recebi da CC com esse aviso e o email que recebi da família, que tinha como título “Hi there LOVED your video would like to interview you :)”.

Gente, quem escreve um título tão grande? Quem escreve LOVED em letras garrafais para elogiar alguém que nem conhece? Quem usa uma carinha quando estamos falando de algo supostamente tido como “importante”? Porque quando falamos nesse tipo de entrevista, não dá pra acreditar que a pessoa será tão nice com você! Mas foi assim que a minha host foi! Nice all the time, and so was her husband! Nem consigo pensar direito em como as coisas aconteceram, mas quando li metade do application eu já percebi que eles respondiam a todas as minhas exigências. Eu não ia responder o email deles na hora, mas graças à minha irmã, que me disse para responder enquanto a host ainda estava online, eles esperaram por uma resposta apenas por 20 minutos. Mais tarde minha host disse que minha resposta rápida foi um ponto positivo, pois mostrou que eu estava interessada. Fiquei feliz e agradeço a Marília por ter me dado essa luz. Aliás, talvez se não fosse todo o incentivo da minha irmã eu não estivesse fazendo isso hoje. Porque Marília sabe o tamanho do meu sonho, e pra ela não fazia o menor sentido eu desistir disso por tamanha bobagem!

Então aos poucos tenho conhecido a família maravilhosa com quem eu fechei o match, e a cada dia que passa eu me apaixono mais! Me apaixono pela cumplicidade dos hosts, por eles se mostrarem preocupados com o meu bem-estar, pelas três crianças lindas que eles têm, cada uma com uma personalidade tão diferente mas que de alguma forma combina comigo. Minha baby, de apenas 1 ano, tão linda e esperta! Meu boy de 10 anos que, pelo que a host me diz – e ela não sabe – é uma versão masculina de mim. E meu middle boy, de 8 anos, que é um pestinha lindo, talvez o integrante mais bonito daquela família, e eu já vejo uma chuva de meninas atrás dele, não apenas pela beleza, mas pela personalidade e inteligência que ele inspira.

Acho que fui abençoada. Abençoada com uma família que não é perfeita, mas que é exatamente o que eu preciso para ser feliz pelos próximos 2 anos.

Então, seja o que Deus quiser. Mas eu já estou feliz por ter essa grande oportunidade… Que venha o dia 19/04, mal posso esperar para finalmente entrar naquele avião e voar rumo ao desconhecido, mas feliz pelo futuro que eu escolhi para mim! Obrigada meu Deus! Eu nunca pensei que eu fosse viver um sonho tão lindo.

Ainda tenho medo do rematch, mas a minha fé é maior, e eu acredito que fiz a escolha certa. Meu coração não pode ter se enganado!

Com muito, muito, muito amor e alegria dentro do peito,

Um beijo,

Marina.

(MAIS UM) MELHOR DIA DA MINHA VIDA

I GOT MY VISA!!!!!!!!

Essa é a frase mais clichê de toda futura Au Pair… E se você também está aí pensando que não aguenta mais ouvir isso, saiba que um dia você vai estar pulando de felicidade ao ter a oportunidade de gritar isso!

Acontece que nós passamos por um milhão de aflições durante todo o processo, e cada conquista nos deixa mais certa de que “eu vou viajar!”. Quando eu fui à agência, bateu o desespero porque “eu vou viajar!”. Quando concluí o application também, “eu vou viajar!”. Quando fiquei online e tive a primeira família também foi “eu vou viajar!”. Quando fechei com a família, a sensação do “eu vou viajar!” voltou. Mas, especialmente, quando eu tive meu visto aprovado, eu percebi que todos esses “eu vou viajar!” não chegaram nem perto da sensação de “agora é sério!” que eu senti quando peguei meu passaporte com meu lindo Visa e vi minha fotinho lá, dizendo que eu podia embarcar! Os sinos tocaram, o papa mandou rezar uma missa só pra mim, todos irmãozinhos espirituais deram Vivas!!!!! rs

Mas falando sério, parece que só depois do visto é que cai a ficha. Porque até então são apenas planos, mas quando você tema permissão para entrar nos EUA (que é o meu caso), você sabe que agora ninguém mais pode te impedir de ser feliz e correr atrás dos seus sonhos.

Em alguns momentos desse processo eu pensei em desistir, achei mesmo que sonhar não era para mim. Que eu tinha mesmo era que botar meus pezinhos no chão e acordar para a vida que estava passando. Mas então um anjinho sacudiu meu ombros e disse no meu ouvido “Grandes sonhos não foram feitos para serem apenas sonhados!”, e eu tenho repetido isso para mim todos os dias. Repita para você também, acredite, tenha fé! Mesmo com todas as dificuldades que eu sei que passei, aqui estou eu, e a coisa que eu achava que seria mais difícil de se conseguir, o visto, na verdade foi uma das mais fáceis.

Minha entrevista foi super tranquila, a Consul foi um amor, mal posso descrever o tanto que ela foi legal na minha entrevista. Quase não me fez perguntas em inglês, o que falou em inglês foi relacionado apenas ao inglês mesmo… Onde eu tinha estudado inglês, se me sentia confortável falando em inglês com a família, como eu me comunicava com a família, etc.

E no fim das contas, minha entrevista foi super rápida. Ela concedeu meu visto da maneira mais simples e direta que ela pôde. E a minha dica é: Tenham todas as respostas na ponta da língua. Não tenham dúvida na hora de responder. Quando eles perguntarem, seam diretos. E revisem suas respostas para essas perguntas (que foi as que eu “estudei” e que a Consul me perguntou):

– Por que quer ser Au Pair? (óbvioooooo)

– Você vai estudar? Onde? O quê? Por quê?

– O que você faz aqui no Brasil? (Vínculos, gente. Vínculos!!!)

– Quanto tempo pretende passar nos EUA? (1 ano. Mesmo que você pense em extender.)

– O que pretende fazer quando voltar ao Brasil? (Focoooo!)

– Qual a profissão dos seus hosts? (Eles perguntam quase em 90% dos casos. Me perguntaram.) Tem conversado com a família? Quantas crianças?

– Você sabe inglês? Onde estudou inglês?

Eu tentei mostrar espontaneidade durante a entrevista. Mesmo estando muito nervosa, fiz o possível pra mostrar meu interesse pelo programa e passar segurança! A Consul que me atendeu aqui no consulado de Recife foi uma ruiva do cabelo curtinho, bem branquinha e cheia de sardas, com um sotaque americano bem carregado, mesmo quando falando em português. Ela foi de uma simpatia incrível e sorriu pra mim desde quando eu ainda estava me aproximando do guichê.

Fiquei feliz porque eu esperava que fosse ser super difícil, e agora eu só peço que Deus abençoe aquela moça por ter sido tão maravilhosa!

Beijãoooo,

Marina.

P.S.: Qualquer dúvida, ask me!

Meu vídeo ~micado~ de Au Pair

Olá pessoalllll! Vim aqui só pra dar uma atualizadinha rápida e deixar o link do meu vídeo de Au Pair, como tinha prometido no meu post sobre como fazer um vídeo… Eu odiei, mas tanta gente curtiu que eu resolvi deixar de ser tão exigente comigo mesma e aceitar que eu também erro – porque tem tanto erro de pronúncia que DEUS É MAIS!!!!!!.

Bom, enjoy it e não riam da minha cara.

Bjsss

(OUTRO) MELHOR DIA DA MINHA VIDA

É, pessoalllllll! Parece que o melhor dia da minha vida vem em partes. Achei que o melhor dia desse processo todo fosse quando finalmenteeee vemos a primeira família no nosso perfil, mas, após 9 famílias e um monte de releases a gente descobre que isso nem é assim tão feliz. Feliz MESMO é quando nós vemos entrar a décima família e de caraaa super nos identificamos com ela.
Ou ainda quando fazemos o primeiro skype com esta família e já sentimos logo nos primeiros momentos o tão falado feeling, que toda au pair e ex au pair fala que rola quando você encontra a família certa. E, gente, é inconfundível. Só dá errado se você estiver procurando sentir o feeling com qualquer família de uma maneira desesperada, mas se você está esperando pela família certa, o feeling também é certo.
E foi assim que aconteceu comigo 7h atrás quando fechei o meu MATCH!!!!!!! Sabe quando você vê se concretizar algo que seu coração já sabia e te avisada há dias? Então, é incrível, não é mesmo?
Eu ainda estou anestesiada. Acho que a ficha ainda não caiu. Não podia estar mais satisfeita com a família que escolhi, mas não vou falar sobre eles aqui nesse post. Vou falar num próximo contando sobre meus critérios para escolher uma família, ok?
Nesse post só vou deixar registrada a minha felicidade… Acho que a ficha só vai cair quando eu finalmente preencher todos os papéis e for tirar o meu visto (que se Deus quiser vai ser aprovado). Por enquanto estou tentando curtir esse momento de alegria e não pensar muito em quaisquer que sejam as outras possibilidades. Só quero pensar em coisas boas e acreditar com toda a força do meu coração que sonhos não foram feitos apenas para serem sonhados e por isso Deus já está trabalhando para me garantir a maior conquista com que eu sonho desde 2008.

Beijosss,
Marina.

Como fazer o seu vídeo do application

ATENÇÃO: POST DE CINCO PÁGINAS. SÉRIO!

Olá gentiiii! Hoje eu vim aqui falar sobre esse bendito vídeo! Esse karma nas nossas vidas! Vocês devem estar se perguntando como que euzinha aqui que nem fiz o meu vídeo ainda vou dar dicas sobre como fazer um, mas, gente, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Na teoria eu sei bem o que preciso fazer, o problema é que eu não consigo fazer porque eu sou perfeccionista e para piorar fonoaudióloga, então exijo MUITO de mim na questão discurso.

Apesar disso, passei a madrugada inteira trabalhando nisso e já dei uma boa encaminhada no meu vídeo. Decidi que não vou mais perder tempo por causa de uma irresponsabilidade minha, então esse vídeo VAI SAIR ainda esse final de semana. Já estabeleci meu prazo.

Bom, então com o prazo definido venho aqui descrever ponto a ponto de como deve ser um vídeo – na minha humilde opinião – perfeito. Sim, existe um vídeo perfeito.

Para começar devo explicar que um vídeo perfeito não exige muito de você em questões de edição e filmagem. Gente, esse é um erro muito grande que as pessoas cometem. Claro que um vídeo bem filmado, imagem HD, 3D, 4D, 5D vai deixar o seu material MASSA mas, people, isso não enche os olhos de família nenhuma, okay??? A família também não quer ver um fade in e fade out nas suas transições de imagem, o que a família quer ver é você!

Pronto, tendo isso na sua cabecinha, passemos para o próximo passo: O que fazer em frente à câmera?

Essa foi uma das partes mais difíceis para mim. Eu sou PÉSSIMA em ficar em frente às câmeras. Sempre fui, sempre vou ser, mas PELO MEU SONHO eu decidi vencer mais esse obstáculo. Por isso, apesar de toda a minha vergonha, no meu vídeo eu estou procurando ser o mais espontânea e natural possível. Não seja um robô, seja você! Lembre-se que quando você está conversando (e isso significa que você não está LENDO, OKAY? Você está falando!!!! Então nem que isso signifique DIAS decorando o texto, NÃO LEIA NA FRENTE DA CÂMERA) com seus amigos, com seus familiares e conhecidos, você gesticula, se movimenta, sorri, expressa emoções e acrescenta curvas melódicas ao seu discurso! Essa dica é preciosa aqui, gente. Sério. Tive um paciente lá no estágio com um problema seriíssimo de alteração na performance da fala! Uma coisinha que parece super boba, mas não é! E é uma coisa que você mesmo pode consertar. Por isso, quando for falar, dê profundidade ao seu discurso. Seja na leitura, seja na fala espontânea. Procure dar ênfase àquilo que foi mais importante, use diferentes expressões faciais para demonstrar sentimento sobre aquilo que você está falando, tudo isso como se estivesse numa conversa normal com seus amigos. Sucesso garantido! Sério!!!

Para melhorar ainda mais seu desempenho, escolha um local agradável para a filmagem. Olha, se você quiser fazer um vídeo ao ar livre, beleza, faça seu vídeo ao ar livre. Mas por favor make sure o som ambiente não vai interferir na qualidade do seu vídeo, beleza??? Beleza. Saibam que até o VENTO atrapalha um vídeo e a família quer lhe ouvir BEM, portanto nada de barulho! Aliás, darei uma dica SUPER HIPER ULTRA MEGA POWER BOMBÁSTICA aqui, super importante: Não usem adereços que tirem a atenção de você! Meninas, nada de bijoux muito chamativas ou maquiagem muito carregada. Até faça um vídeo assim, se você for assim no seu dia-a-dia, mas NA MINHA HUMILDE OPINIÃO as famílias querem ver você como você é, e não uma pessoa “montada”. Tente mostrar no vídeo a pessoa que você é dentro de casa, porque é assim que ela vai lhe ver durante um ano inteiro, então você não pode “vender” pra ela uma coisa que você não é, okay? E isso sobre não usar adereços chamativos é dica sobre como falar em público, dica de fonoaudióloga. Qualquer coisa muito diferente pode tirar a atenção daquilo que você está dizendo. No caso das host moms, imagina lá, você tá usando um brincão de pedrarias super lindo e incrível, vocês ACHAM que ela vai conseguir olhar para outra coisa? Claro que não né! Então lembrem-se disso: Lugar calmo, agradável, sem barulho e nada de chamar atenção com acessórios e maquiagem!

Próximo ponto: O QUE FALAR?????? Essa é uma das questões mais polêmicas! Porque, genteeee, é para ficar louco, né? Não sei pela agência de vocês como é, mas com a Cultural Care nós temos que fazer vídeos de até no máximo 3 minutos. Em alguns momentos – quando eu achava que nunca faria esse vídeo – eu cheguei a pensar que três minutos fosse muito mas, OBVIAMENTE, três minutos é MUITO pouco para você vender seu peixe! Então, minha dica é: Seja breve, seja curta e diga o necessário.

Procure responder as seguintes questões: Nome, idade, formação ou ocupação (ou os dois), sua nacionalidade, com quem mora e a cidade onde mora (Obs.: Não se estenda muito nesses itens, isso é o menos importante para a família. Eles querem saber sobre as suas experiências!).

Pronto, você já tem uma introdução. Agora, trate de responder questões como “O que a motivou a escolher o programa Au Pair?”, “Porque você quer ser Au Pair?”, “Quais as suas expectativas com o programa?”, “Quais as suas experiências com crianças e quais as faixas etárias?”, “Porque você seria uma boa Au Pair?”. Nessa última pergunta, seja bem ridícula mesmo e faça como todas as Au Pairs espalhadas por esse mundão de meu Deus: Diga que você é linda, maravilhosa, Deusa, Rainha fun, easygoing, understanding, responsible, essas coisas. Só não diga no final que você é tudo o que eles precisam, porque aí já é demais. hahahaha Mas não esqueçam: SEJAM SINCEROS. Não adianta você dizer que é active se você não for, viu? Também não me vá colocar no vídeo que é uma couch potato porque família nenhuma vai te querer! Aí, quando você disser todas essas coisinhas legais, você pode acrescentar informações como “I’m such a good driver and swimmer”, se quiser, e algumas habilidades que você tenha. No meu caso, destaquei minhas habilidades com criação de jogos e atividades educativas. Mas essa sou eu!

Para finalizar essa parte do texto, agradeça às famílias por terem assistido ao seu vídeo, diga que espera que eles tenham gostado e dê aquele “bye” bem meigo, porque é isso que eles esperam e a gente não quer decepcionar nenhuma família, OKAY?????

Pronto, texto finalizado! Ufa. Agora, falemos um pouco sobre os files que você vai acrescentar ao seu vídeo para deixá-lo lindão: O melhor que você pode fazer é acrescentar vídeos. Todo mundo sabe como são chatos vídeos de fotos. Nessa era tecnológica não se usa mais vídeo de foto, isso ficou no passado. Então, vamos acompanhar o desenvolvimento tecnológico e vamos fazer vídeos de vídeos! Aêêêê, sou muito imprevisível, diga lá! kkkkkk

Mas, pera lá, Marinaaa! Você mesma não tem quase nenhum vídeo com crianças, quem é você para dizer isso? Pois é gente, meu acervo de vídeos interagindo com crianças é muito restrito porque minha experiência com crianças foi dentro de uma clínica onde eu era a terapeuta, então eu não podia filmar os rostinhos dos meus pimpolhos, né? Falta de ética total. Então, o que é que eu fiz? Filmei alguns segundos com os meus pimpolhos de costas, mas fiz muito mais fotos que vídeos, por motivos óbvios. Vou juntar esses arquivos com outros que tenho com os meus primos e jogar tudo no liquidificador e apertar pulsar final do vídeo! Mas não vou deixar só fotos, vou mesclar tudo. Porque aí fica uma coisa mais dinâmica, entendeu? Lembrem-se dessa palavra porque ela é muito importante! Deixe seu vídeo DINÂMICO! Se você tiver o mesmo problema que eu, procure intercalar um pedacinho de filmagem, algumas fotos e mais um pedacinho de filmagem, pra que não fique muito boring, beleza?

Pronto, gente, agora, para finalizar, vem a edição: Uma coisa que você deve ter em mente é que, quantos mais takes você fizer, mais você indica que teve tempo para ler. Aí você vai me dizer: Meu irmããão, tá ficando IMPOSSÍVEL fazer esse seu tal vídeo perfeito!!!! Mas, gente, infelizmente é a verdade. Se você quer impressionar a família e passar na frente de todo mundo, você vai precisar se esforçar mais que os outros. Então você vai lá, treina bem muito, decora esse danado desse texto por um mês se necessário, mas tenta falar tudo num vídeo corrido e sem pausas! Você vai ganhar pontos com a família no quesito “domínio da língua inglesa” porque eles vão perceber que você não precisou dar várias pausas para concluir a sua linha de raciocínio. E, gente, nem adianta você querer se enganar e dizer que “aaah, mas eu precisava mostrar uma foto da minha família quando falei deles, e depois outra da minha experiência com crianças quando falei sobre isso” porque isso não é necessário! Você pode deixar pra colocar todos esses arquivos lá no final do vídeo quando você terminar de falar tudo. Para alguns pode até parecer que foi inexperiência na edição de vídeos, ou preguiça mesmo, mas a família vai perceber que você não precisou de várias pausas e por isso seu vídeo não está cortado.

Claro que você pode dar uma ou outra pausa para respirar, tem uns momentos que cansam mesmo, e tem aquele parágrafo que você escreveu que tem uma droga de uma palavra que trava tudo, então nesse momento, tudo bem! Mas tente só fazer isso uma ou no máximo duas vezes! Quanto menos pausas, mais domínio! Exija sempre mais de você mesmo (mas só o suficiente para deixar o seu vídeo bem legal)! Aí, quando você colocar a primeira parte do vídeo em que você responde todas aquelas perguntas e depois a segunda parte com os files em atividades com as crianças, você põe o último take com o seu goodbye!

Pronto, gente. Esse post ficou MUITOOO grande, duvido que alguém tenha coragem de ler, mas se alguém conseguiu chegar até aqui, espero mesmo que eu tenha ajudado. Assim que eu concluir o meu vídeo eu posto aqui (ou não, vai que eu fico com vergonha, né!). Estou tentando seguir cada uma dessas minhas dicas. Talvez eu fuja um pouquinho desse meu padrão, porque afinal de contas é aquela velha história: Faça o que eu digo, não faça o que eu faço; mas eu estou me empenhando MESMO para dar o meu melhor.

Como uma última dica, mas não menos importante, sugiro que leiam atentamente as regras das agências de vocês sobre o que pode e não pode ter no vídeo e o tempo exato ou tamanho do arquivo. São dados bastante importantes e vai evitar que seu vídeo volte para você revisar e te dê um trabalhão para fazer um novo!

Se você leu esse post até aqui, dá um oi aqui nos comentários só pra eu saber que você existe e poder te agradecer! Eu adoraria saber que tem alguém me acompanhando!

Beijooooo